O amor, virtude conciliadora!

Imprimir

Numa aldeia vivia um homem muito crente e alguns moleques faziam muitas travessuras com ele. De todas as formas queriam aborrecer o cristão. Um dia eles combinaram entre si: “Hoje de noite vamos tirar todas as telhas da casa dele.

Queremos ver a cara dele quando acordar de manhã e se dar conta que a casa está completamente destelhada!”

Combinaram entre si e com todo o cuidado, para não fazer barulho, tiraram todas as telhas durante a noite. Entretanto, não foram tão silenciosos, pois o cristão havia escutado o que estava sendo feito.

José, assim era o nome dele, pensou: “Brigar, não ajuda em nada. Eu poderia chamar a polícia, talvez!”. Não, ele pensou, “sou um cristão e vou fazer diferente.”

Quando os moleques terminaram de desmontar o telhado, queriam se afastar, mas José estava diante da porta e lhes disse: “Vocês trabalharam tanto esta noite, agora vocês necessitam de um bom café. Por favor, entrem, eu já preparei tudo para vocês!”

Evidentemente, depois da boa refeição, os jovens colocaram todas as telhas nos seus devidos lugares. Assim o telhado estava outra vez em ordem. A relação entre os jovens não foi abalada por ódio nem vingança. Muitos dos jovens se tornaram cristãos devido à atitude de José. Vimos: “O amor, uma virtude conciliadora!”

Será que também agiríamos da mesma maneira?

Axel Kühner/fz
NF 8/14/ fz